Recentemente nós recebemos um relatório do Google sobre os impactos do COVID-19 no Varejo e vamos apresentar alguns pontos importantes aqui.

 

O contexto geral do COVID-19

 

Alguns pontos importantes para entender o contexto atual e cenário mundial da doença.

– O COVID-19 é uma doença infecciosa causada pelo mais recente vírus da família Coronavírus descoberto.
– O surto teve início na China e atualmente afeta 159 países.
– Mais de 180 mil pessoas contaminadas.
– Mais de 80 países confirmaram transmissão local.
– Entre os países mais afetados estão China, Itália, Irã e Coréia do Sul
– Em 11 de Março de 2020, a OMS declarou pandemia

 

Os números no Brasil em 17 de março de 2020:

 

– O Brasil é o 32º país em números de casos.
– A partir de 5 de março a evolução foi mais acentuada, atingindo atualmente 200 casos.
– A primeira morte decorrente do coronavírus foi registrada no Brasil no dia 17 de março

 

Fonte: WHO, What is Coronavírus” , “Novel Coronavirus (COVID-19) Situation | McKinsey, COVID-19: Implications for business / Dados atualizados em 16/03/2020

 

Hoje, dia 26 de março de 2020, o número de contaminados chega a 2.598. Foram registrados 63 mortos no país, 48 deles no estado de SP.

 

Análise do Mercado Financeiro sobre o momento no Varejo

 

Nenhum mercado sairá sem marcas dessa crise mundial, absolutamente nenhum, os dados mostram. Seja do segmento que for, ao final desse momento de tensão existirão marcas que para muitas, durarão pra vida toda.

 

O Impacto Macro

 

O Impacto Macro da COVID-19 já pode ser percebido em diversos fatores do mercado, alguns deles:
Câmbio mais alto – Os varejistas de vestuário, calçados e esportes são expostos por meio de uma parcela do CPV (Custo dos Produtos Vendidos) importado da Ásia.
Os mais prejudicados: Centauro (50% do CPV vindo da Ásia), Renner (30%), Hering (20%).

 

PIB menor – Mais prejudicados: varejistas de consumo discricionário* em geral, como Via Varejo, Magalu, B2W.

 

*Consumo sensível aos ciclos econômicos como vestuário, utilidades domésticas, lazer, hotéis e restaurantes, também chamado de consumo discricionário.

 

Aversão a risco – Todo o mercado brasileiro é afetado nesse momento, com aumento do custo de capital que impacta negativamente nas ações das empresas.
Nenhum empresário, nesse momento, quer arriscar numa incerteza, é preferível que continuem na sua zona de conforto, mesmo que ela traga pouco retorno.
Lembrando que é um momento de tensão.

 

Redução de crédito, que impacta mais fortemente varejistas mais alavancados, como Via Varejo.
Se o público não tem crédito, o varejista não vende.

 

Quarentena e Isolamento

 

Aumento do online – A quarentena ou auto-isolamento é o impulso que faltava para o meio online disparar de vez e cair no gosto do público.
Beneficiadas: empresas com alto percentual das vendas online, como B2W, MELI, Magalu.

 

Redução de circulação em shopping centers

 

Mais prejudicados: Centauro, C&A, Lojas Renner, Riachuelo.

 

Disrupção da cadeia de suprimento, devem afetar principalmente:
a) Varejistas de moda, que tem a maior parte do inventário vindo de importação;
b) Varejistas de eletro, que tem boa parte dos componentes vindo da Ásia.

 

Estoques – Varejistas que dependem mais de vendedores menores que trabalham com baixo nível de estoque podem ser mais impactados. Prejudicadas: MELI e B2W.

 

Isso faz com que as ações de moda tenham queda mais significativa, enquanto de alimentos e online pure players tenham mais resiliência.

 

Gráfico-1-Impacto-do-varejo-covid19

 

Impacto sobre o comportamento

 

O brasileiro está se readaptando diante da situação da crise do Coronavírus (COVID-19)
A velocidade da disseminação da doença está provocando uma grande mudança nos comportamentos das pessoas, como a compra em massa de produtos de higiene e limpeza, e materiais de proteção pessoal, como álcool em gel, luvas e máscaras. Nós estamos com a incerteza no olhar, cientes que a qualquer momento tudo pode mudar.

 

Movimentos internacionais do Varejo multicategoria

 

O relatório do Google Retail AIT nos trouxe alguns temas relevantes e que mostram essas mudanças de comportamento.

OLHAR PARA FORA É OLHAR PARA O FUTURO – As tendências de comportamento nos países em que a pandemia já avançou a estágios mais críticos permite vislumbrar possíveis cenários que o varejo pode ter no Brasil

 

TENDÊNCIA #1:

 

PREOCUPAÇÃO COM A PREVENÇÃO – As categorias que crescem antes que as demais são as relacionadas a produtos como máscaras e álcool gel.

 

 

TENDÊNCIA #2:

 

BUSCAR PELA NECESSIDADE IMEDIATA – Categorias que não são de primeira necessidade como MODA e MÓVEIS tem queda acentuada nas buscas.

 

 

TENDÊNCIA #3:

 

A VIDA EM QUARENTENA – Buscas por entretenimento, alimentação e higiene pessoal ganham relevância na hora de conviver com o isolamento forçado.

 

Recortes-Notícias-Impacto-Varejo-Covid19

 

Até o dia 13/03, as buscas pelas principais categorias do varejo não tiveram uma grande variação.

 

Gráfico-3-Impactos-no-Varejo-Covid19