Porque trabalhar com influenciadores?

Porque trabalhar com influenciadores?

Publicado por Estúdio Livre | 8 de julho de 2016 | Influenciadores

Antes de mais nada, você sabe o que é um influenciador?
No mundo do marketing, eles sempre existiram e sempre irão existir. Eles são pessoas que possuem muitos seguidores, são respeitadas, conhecidas, admiradas pelas mesmas pessoas que seguem a sua marca, que fazem parte do seu público-alvo.

Existem, traçados, alguns perfis públicos, como:

• Celebridades
• Ativistas
• Agitadores
• Experts
• Analistas

Geralmente, essas pessoas são frequentes nas redes. Estão sempre com blogs atualizados, canais de vídeo no YouTube e perfis movimentados nas mais badaladas Redes Sociais. Como a audiência entre você e essas pessoas é a mesma, é interessante acompanhar essas pessoas e estabelecer uma relação entre elas, mesmo que no início haja algum tipo de desconfiança, principalmente por parte do influenciador.

Para isso, elaboramos um manual de como interagir com essa nova ferramenta de comunicação, desmitificando sua utilidade e deixando florir a parte criativa que cada uma delas tem.

1) Dê um passo para trás: é necessário que você entenda que ninguém se comunicará melhor com o seu público-alvo do que o próprio influenciador. É por isso que ele carrega esse nome: influenciador. Contudo, às vezes, isso requer humildade dentro das agências, deixando as coisas fugirem das mãos.

2) Entenda onde é que a sua marca está presente: antes de sair contatando um influenciador, é necessário que as agências e principalmente os clientes consigam entender o que a marca deseja comunicar e quais redes ela precisa alcançar para de fato atingir seus consumidores.

3) Mensure a qualidade: depois de definir qual será a ideia da marca, será necessário mapear e buscar na rede quais serão os melhores influenciadores para aquilo que você deseja comunicar a terceiros. Lembre-se que ele deverá conversar com o seu público, de igual para igual.

4) Crie uma conexão entre a conversa a se estabelecer e a marca: é a marca que deverá ser inserida no contexto, e não o contrário. O discurso feito pela marca será bem menos importante do que o diálogo que será construído com o influenciador. Veja qual a melhor forma de ingressar nessa conversa, nesse universo. Apenas sinta, porque nenhuma ferramenta ou app irá te mostrar como fazer.

5) Pontos positivos X pontos negativos: reforçando mais uma vez – é o influenciador que deverá falar com o público. Sinalize mais o que ele não poderá falar sobre a marca do que o que ele deverá falar. Dessa forma, fica algo mais natural e dinâmico. Pense que esse será um trabalho feito a quatro mãos.

6) Relação de conquista: perceba que quanto maior for a chance de ter um diálogo natural, maior será a chance de a conversa cativar o público-alvo. Por isso, não crie um discurso para não correr o risco de ele soar falso. Lembrando que, se soar assim, poderá ocorrer a ruptura de confiança e a quebra da conversa.

7) Produtos criativos e não apenas mais uma forma de comunicação: o fator chave é saber negociar de forma que o influenciador entenda e queira fazer parte da proposta da campanha pensada. Não deixe que uma forma original se vá… Procure fontes originais de informação e comunicação.

8) Tenha um formato atrativo para o influenciador: faça com que o influenciador fique feliz com a parceria, de modo que ele traga ideias e contribuições para a campanha. Dessa forma, o diálogo sairá mais autêntico, ele ficará mais feliz e o seu cliente sairá satisfeito.

9) Não é celebridade: celebridade e influenciadores são coisas bem distintas. Não adianta apenas ter uma boa base, bastante seguidores. É necessário engajar, conversar e multiplicar as ações.

10) As mulheres confiam nas opiniões: segundo um levantamento feito pelo YouTube Insights, cerca de 82% das mulheres confiam mais em influenciadores nas redes. Isso tanto para quando eles falam algo positivo quanto para negativo. Por isso, preste atenção!