Marketplace – Uma alternativa para vender mais

Marketplace – Uma alternativa para vender mais

Publicado por Estúdio Livre | 25 de julho de 2016 | Marketing

O marketplace é conhecido por ser basicamente um modelo de negociações que conecta diretamente cliente e fornecedor sem nenhuma intermediação externa de terceiros. É possível caracterizar o marketplace como um portal de e-commerce colaborativo, funcionando como uma loja virtual que oferta produtos e serviços em geral. Desta forma, o operador virtual do marketplace e os lojistas interessados em divulgar seus produtos cooperam em uma forma de parceria e sociedade.

O sistema do marketplace funciona em dois níveis de acesso separados: um para clientes consumidores (em busca de adquirir produtos) e outro para lojistas vendedores (para vender produtos). Dentro desse procedimento, o lojista de um segmento pode vender seus produtos através do site os colocando à disposição de compradores, enquanto os clientes encontram no mesmo local virtual diversos itens que variam de preço, marca, fornecedor e origem. O grande diferencial, portanto, é a possibilidade de vantagem mútua, uma vez que atende à necessidade de exposição de mercadorias dos lojistas e disponibiliza um modo otimizado e prático de busca e compra por parte dos consumidores.

O serviço costuma reunir diferentes tipos de produtos e de empresas visando abranger o maior número de visitantes e clientes em potencial. Existem, no entanto, marketplaces especializados em um determinado nicho, como roupa, viagens, produtos eletrônicos, livros, entre outros. Ou seja, o marketplace pode ser realizado para suprir a demanda de venda de uma empresa ou ser utilizado como um shopping virtual com lojas atendendo a diferentes segmentos. Alguns dos maiores exemplos de marketplace são as internacionais Amazon e Ebay. No Brasil temos exemplos de marketplaces individuais, como a Livraria Saraiva, que disponibiliza livros, perfumes e até viagens; o mercado Extra, que reúne os produtos que são encontrados na rede de mercados, como calçados, utilidades domésticas e materiais de construção; do site Elo7, que oferta produtos de artesanato; como também de segmentos plurais, como ocorre no Mercado Livre e no site Tanlup.

O mais interessante dentro do MarketPlace é que mesmo que o internauta compre produtos de diferentes lojas virtuais, o pagamento gerado e o valor do frete são únicos, sem a necessidade de dividir a forma de pagamento entre os recebedores. Após as transações serem processadas e aprovadas, o sistema divide a porcentagem correspondente para os lojistas e para os operadores de integração do marketplace, que ficam responsáveis pelo estoque e pela entrega dos produtos comercializados. Para os operadores do marketplace, esse sistema funciona através das receitas de comissionamento das vendas e da fidelização do cliente virtual, além de não precisar arcar com os custos de armazenamento dos produtos ofertados.

Este modelo de negócios tem sido a opção de microempreendedores, que veem no marketplace a oportunidade de expandir suas vendas para o campo virtual. Desta forma, os varejistas de pequeno porte conseguem um tráfego maior de vendas, além de expandirem o nome de sua marca para um novo público, aumentando a visibilidade e a ocorrência de clientes que comprarão novamente. Desta forma, o vendedor consegue ao mesmo tempo aumentar seu lucro e se beneficiar de um sistema de marketing e publicidade.